Como construir uma boa reputação com o marketing social

Como construir uma boa reputação com o marketing social

Tempo de leitura: 5 minutos

As empresas estão, constantemente, em busca de novas formas de engajar o seu público e aumentar suas taxas de retenção de clientes fiéis.

 

Para atingir tal objetivo, o mercado vem adotando diversas técnicas de marketing para reinventar a sua presença no imaginário da audiência e construir uma boa reputação frente a concorrência.

 

Uma estratégia que vem se tornando cada vez mais popular é o marketing social

 

Caso você ainda não conheça o marketing social ou queira entender melhor o conceito, continue lendo este texto.

 

Peça da campanha “Forever against animal testing” promovida pela The Beauty Shop & Natura.

 

Aqui, vamos explorar o que aborda este tipo de marketing, trazer exemplos e também apresentar os resultados que ele pode trazer ao seu negócio. 

 

O que é o marketing social?

 

Embora esteja em evidência na atualidade, o marketing social não é um fenômeno recente.

 

Na verdade, o termo foi criado na década de 1970 por Philip Kotler — também conhecido como o pai do marketing — e Gerald Zaltman como uma forma de descrever o chamado “Marketing 3.0”. 

 

“O marketing social envolve o uso dos princípios e técnicas de marketing para influenciar que um público escolhido aceite, rejeite, modifique ou abandone voluntariamente determinado comportamento que apresenta um benefício ao próprio indivíduo, para outros indivíduos, grupos ou da sociedade como um todo.”

 

Enquanto no marketing tradicional o objetivo principal é a efetivação da venda, no marketing social você aplica energia e investimentos na promoção de causas sociais, comportamentos e atitudes mais conscientes, de forma a gerar um impacto positivo no mundo.

 

Ou seja, a empresa deixa de vender um serviço ou produto para vender um ideal.

 

Uma instituição adepta do marketing social se utiliza das técnicas de mercado para desenvolver ações que promovam mudanças positivas na sociedade — seja na área da educação, saúde, transporte ou cidadania —, gerando, assim, o branding (reconhecimento de marca) de uma forma indireta.

 

Peça da campanha “Dove pela Autoestima” promovida pela Dove.

 

E, talvez, ainda mais efetiva. Quando uma marca engaja sua audiência ao apoiar uma causa, ela gera responsabilidade social e empatia.

 

O que acaba colocando a empresa como um agente transformador.

 

Por que adotar o marketing social?

 

Na pesquisa “Rumo à Sociedade do Bem-Estar”, realizada pelo Instituto Akatu, o consumidor brasileiro “tem mais interesse e maior conhecimento sobre sustentabilidade e sobre Responsabilidade Social Empresarial e está mais crítico e exigente sobre as práticas das empresas nestas áreas”.

 

Ou seja, a participação das empresas nas causas sociais é, sim, um fator decisivo na hora da compra.

 

A Fundação Itaú Social está na ativa desde 1993 criando diversos projetos sociais, como Itaú Voluntário, Prêmio Itaú-Unicef e Escrevendo o Futuro.

 

O fato acima implica na percepção de marca e reputação do seu negócio, tornando o marketing social não apenas um diferencial competitivo, mas uma obrigatoriedade. 

 

Apoiar causas que trazem transformações ao cotidiano das pessoas gera reconhecimento.

 

O que, por sua vez, estreita os laços com o consumidor, contribuindo para um relacionamento mais significativo e duradouro.

 

O engajamento deve ser real

 

Da mesma forma que há um grande potencial de crescimento quando uma instituição passa a promover o marketing social, o revés pode influenciar de forma extremamente negativa a uma marca.

 

Há, no mercado, diversas empresas que se apoiam num dito “marketing social” como forma de autopromoção sem qualquer interesse genuíno pela causa.

 

O engajamento é vazio e tem como foco gerar mais receita, conquistando um público em potencial.

 

Exemplo recente de uma campanha que não chegou ao público como deveria. Na tentativa de promover os Jogos Paralímpicos, a Vogue usou photoshop para transformar celebridades em atletas paralímpicos em vez de usar atletas paralímpicos na peça.

 

Rapidamente, esse falso interesse é desmascarado pelos consumidores, que percebem o verdadeiro interesse da marca e mancham a reputação da empresa através dos famosos backlash (repercussão, normalmente negativa, em tradução livre). 

 

Desta forma, podemos dizer que a máxima do marketing social deve ser o levante de valores reais, que estejam relacionados aos pilares da empresa, seus valores e missão.

 

Porque de nada vale que o empresário apoie ou abrace uma causa, vinculando-a a marca se não for algo que está intrínseco no DNA.

 

Mais do que nunca, o consumidor busca por marcas que sejam íntegras e autênticas naquilo que defendem.

 

Conquistar a confiança do público e mantê-la é um objetivo principal.

 

Somente assim é possível a construção de uma imagem sólida que irá engajar e reter clientes e brand-lovers.

 

Leia também: Marketing de conteúdo — crie e mantenha um relacionamento com seus clientes

 

Confira alguns cases famosos

Podemos dizer que o exemplo mais famoso de marketing social no mundo é o McDia Feliz, promovido pela McDonald’s. Dá uma olhada no vídeo da campanha desse ano:

 

 

Há algum tempo, a Pedrigree® vem investindo em marketing social ao trazer a importância de adotar um cãozinho em vez de comprá-lo. Confira a campanha no vídeo:

 

 

O Teleton é uma campanha em prol da AACD que acontece anualmente no canal SBT. A campanha de 2019 focou em como as instituições precisam de ajuda durante o ano inteiro, não apenas no período do Teleton. Veja abaixo:

 

 

Quer entender melhor como o marketing social pode ajudar a sua empresa a construir uma boa reputação no mercado? Entre em contato conosco através do whatsapp!

 

Murilo Pinto Pereira

Murilo Pinto Pereira é Diretor de Tecnologia na Inédita.

NENHUM COMENTÁRIO

ENVIE UM COMENTÁRIO